7 temas que marcaram a captação de recursos em 2015 e vão moldar 2016

A Mobiliza reuniu especialistas da área de captação de recursos para avaliarem os temas de destaque de 2015. Porém, mais do que uma retrospectiva que se encerra em si mesma, os assuntos avaliados terão um impacto crescente no setor em 2016. 

Os consultores e profissionais atuantes na área apontam para a necessidade de planejar e investir, ao mesmo tempo em que é preciso aproveitar o potencial já existente nas organizações.

Dia-de-Doar2_pao-doar1. Dia de Doar se consagra e demonstra a importância de dar exemplo
Em 2015, se estabeleceu como um dia importante para fomentar a cultura de doação no Brasil. O presidente do Instituto Doar, Marcelo Estraviz, lembra de uma particularidade no #diadedoar . Além da maior abrangência da iniciativa em 2015 (conheça os resultados), ele acrescenta que a mensagem mudou. Em vez de pedir doações, muitos se apropriaram dos projetos que divulgaram. “As pessoas passaram a falar mais a partir dos exemplos. ‘Eu doo e recomendo a doação’”, recorda.

2. 
Formação de captadores de recursos 
ganha fôlego
A emergência do tema de formação continuada em captação de recursos foi um dos grandes destaques em 2015, segundo o diretor executivo da Associação Brasileira dos Captadores de Recursos (ABCR), João Paulo Vergueiro. Segundo ele, tanto a Associação, como outras organizações, passaram a investir mais fortemente em capacitação em captação de recursos. Exemplos dessa tendência foram o lançamento da Plataforma Captamos, a produção da série videodicas de captação e o fortalecimento do Festival ABCR.

3. Planejamento e Investimento no potencial de captação de recursos com indivíduos

Para a fundadora e diretora da Ader&Lang, Flavia Lang, 2015 foi um ano em que diversas organizações sociais buscaram estruturar melhor sua operação de captação de recursos com indivíduos. Segundo Lang: “As organizações que fizeram um bom planejamento e investiram em desenvolver boas estratégias, cresceram em  2015, mesmo com a  crise política e econômica.”

startup4. Mercado de fornecedores cresce com startups
As organizações sociais também viram ser ampliadas as ofertas de prestação de serviços, com a chegada das startups voltadas a apoiar o processo de captação de recursos. Alguns exemplos de empresas que surgiram ou cresceram em 2015 são: Prosas, Get2Gether, Boomerong, Polen, OngStore2.5, entre outras. Segundo João Paulo Vergueiro, “esses novos negócios ajudam organizações a mobilizar recursos ou doadores a encontrar uma causa para financiar”.

 

5. Um captador de recursos em cada esquina – o boom do Diálogo Direto
Em 2015 foi ampliado o mercado de Diálogo Direto (Face to Face) no Brasil, na opinião de Katia Gama, que, em janeiro, assume o cargo de gestora de Captação de Recursos da ActionAid Brasil. “A abertura da primeira agência brasileira de F2F é um sinal de crescimento do mercado, que até então era ocupado apenas por fornecedores internacionais. Além disso, é possível identificar a ampliação territorial da estratégia para além do Sudeste. As ações positivas no Norte e Nordeste mostram que o público está aberto para ouvir mais sobre causas sociais”, observa.

Print6.
Consagração do Crowdfunding
As campanhas de crowdfunding também tiveram crescimento tanto em valor captado quanto em número de campanhas lançadas em 2015. “A campanha para o Rancho dos Gnomos, por exemplo, captou pais de 1 milhão de reais através da plataforma Kickante, recorde nacional de crowdfunding para uma ONG”, lembra Flavia Lang.

7. Gerenciamento dos Doadores levado a sério
Um nicho de mercado que só tende a crescer é o gerenciamento da base de doadores por ferramentas de CRM. Para Kátia Gama, muitas organizações utilizavam ferramentas de cobrança, como um “quebra-galho” para esse trabalho, e o que se viu neste ano foi a implementação de ferramentas de CRM profissionais, como ocorre em qualquer empresa com grande base de dados. “Sem isso, a gente não vai conseguir crescer“.